Gabriel Medina é campeão em Portugal e brigará pelo bicampeonato Mundial no Havaí

Em português: (in english below)

O Brasileiro Gabriel Medina pulou cinco pontos para a tabela de classificação Jeep na Europa, para o número 2. No ranking mundial. Rumo à França, suas esperanças de título pareceram magras depois do que, sem dúvida, foi um ano inconsistente. Justo quando parecia que ele estava ganhando força, ele sofreu outro 13º no Hurley Pro em Trestles em setembro. Foi necessária uma recuperação para manter vivo qualquer golpe de título.

Medina respondeu a chamada, aumentando o nível e depois ganhando o Quiksilver Pro France de forma convincente no início deste mês e derrotando o No. 1 John John Florence nas semifinais por boa medida. Essa vitória em Hossegor colocou Medina de volta na caça Título.

Medina tem uma história de bons resultados na França, mas o MEO Rip Curl Pro Portugal tem sido uma história diferente. Seu melhor final foi um 2º lugar para o vencedor Julian Wilson em 2012 (sua primeira temporada completa na CT), juntamente com algumas saídas da rodada de quartos de final desde então. Agora, com uma temporada inteira no balanço, Medina agitou esse recorde com uma vitória em Peniche e forçou a perseguição do título mundial ao Havaí no Billabong Pipe Masters.

O brasileiro estava cuidando os negócios em Portugal desde o início. Mais cedo no evento, antes de seu choque da Rodada Três com Ethan Ewing, ele estava muito sério, consciente da tarefa em questão, como um boxeador que se deslocava em seu ritual de pré-luta, ele reconheceu dizendo ao WSL: “Ethan é tão bom, nessas ondas você pode obter dois 9 em duas ondas. Você não pode ceder”.

Medina ficou hiper focado depois de ver o John John Florence cair para Kolohe Andino nas quartas de final, esmagando a metade inferior da tabela de classificação com vitórias sobre Mick Fanning, Kanoa Igarashi e Julian Wilson no caminho para a vitória. Foi um bom retorno para Gabriel, que ainda não esqueceu o Final de 2014 com Julian. Mas a parte mais doce, obviamente, é que agora ele pode legitimamente pensar em outro título mundial. E deve notar-se que o recorde de Medina no Pipe é bastante bom.

Foi um ponto de exclamação no final de um intenso dia em que muitos dos caçadores de títulos do brasileiro foram jogados no caminho. Mas não Gabriel. Não quando ele está nesse tipo de humor.

Com Gabriel Medina reivindicando sua segunda vitória consecutiva na Europa e saltando para o No. 2 no Jeep Leaderboard, a corrida do título mundial de 2017 ficou muito mais apertada. Medina e Florence se juntarão ao World No. 3 Jordy Smith e o n. ° 4 Julian Wilson, que terminou o segundo lugar na Medina no MEO Rip Curl Pro Portugal quarta-feira. O grupo de comentários do WSL quebrou tudo e configura o que, sem dúvida, será um pedaço de confronto do título mundial no Pipeline.

 

In english:

The European leg as a whole is a massive moment for the Brazilian, who has jumped five spots up the Jeep Leaderboard in Europe, to No. 2. Heading to France, his Title hopes looked slim after what’s undoubtedly been an inconsistent year. Just when it looked like he was gaining traction, he suffered another 13th at the Hurley Pro at Trestles in September. A rebound was required to keep any whiff of a Title shot alive.

Medina answered the call, stepping it up a level and then some — winning the Quiksilver Pro France convincingly earlier this month, and defeating No. 1 John John Florence in the Semifinals for good measure. That win in Hossegor put Medina back in the Title hunt.

Medina has a history of good results in France, but the MEO Rip Curl Pro Portugal has been a different story. His best-ever finish was a 2nd place to winner Julian Wilson back in 2012 (his first full season on the CT), along with a couple of Quarterfinal round exits since then. Now, with an entire season in the balance, Medina has shaken up that record with a win in Peniche, and forced the World Title chase to Hawaii at the Billabong Pipe Masters.

The Brazilian was taking care of business in Portugal from the start. Earlier in the event, prior to his Round Three clash with Ethan Ewing, he was dead serious, astutely aware of the task at hand, like a boxer moving through his pre-fight ritual. After his heat, he acknowledged as much, telling the WSL, “Ethan’s so good, in these waves you can get two 9s on two waves. You can’t give in.”

Medina got hyper-focused after watching John John Florence fall to Kolohe Andino in the Quarterfinals, crushing the bottom half of the leaderboard with wins over Mick Fanning, Kanoa Igarashi and Julian Wilson on his way to victory. It was sweet payback for Gabe, who still hasn’t forgot the 2014 Final with Julian. But the sweeter part, obviously, is that now he can legitimately think about another World Title. And it should be noted, Medina’s record at Pipe is pretty darn good.

It was an exclamation point on the end of an intense day where many of the Brazilian’s fellow Title chasers were tossed by the wayside. But not Gabriel. Not when he’s in this kind of mood.

With Gabriel Medina claiming his second-straight win in Europe, and jumping to No. 2 on the Jeep Leaderboard, the 2017 World Title race just got a lot tighter. Medina and Florence will be joined by World No. 3 Jordy Smith and No. 4 Julian Wilson, who finished runner-up to Medina at the MEO Rip Curl Pro Portugal Wednesday. The WSL commentary crew breaks it all down and sets up what’s undoubtedly going to be one heck of a World Title showdown at Pipeline.

 

By Paul Evans

World Surf League

http://www.worldsurfleague.com/