Paulo Roberto Costa (Ex Diretor da PetroBras) disse ter recebido US$ 23 milhões

Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, disse ter recebido US$ 23 milhões (R$ 55,2 milhões) de uma empreiteira para facilitar contratos dessa empresa com a estatal. O ex-diretor deu a informação num dos cem depoimentos que já prestou depois de assinar o acordo de delação premiada, revelou ao GLOBO um dos investigadores da Operação Lava-Jato. O ex-diretor também confessou ter recebido US$ 1,5 milhão (R$ 3,6 milhões) para “não atrapalhar” a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, transação que resultou em prejuízos para a Petrobras.

Os US$ 23 milhões estão bloqueados em 12 contas bancárias na Suíça e deverão ser repatriados ao Brasil ao longo dos processos abertos a partir de descobertas da Lava-Jato, investigação sobre supostas fraudes dos grupos de Costa e do doleiro Alberto Youssef, entre outros acusados. Costa contou ainda que a comissão de US$ 1,5 milhão que recebeu por conta da refinaria Pasadena foi paga por um intermediário de um dos grupos envolvidos no negócio. O nome de quem pagou a propina está sendo mantido em sigilo.

Paulo Roberto da Costa

Costa revelou um detalhe que deixou os procuradores surpresos. Ele disse que recebeu os US$ 23 milhões sem a habitual ajuda do doleiro Alberto Youssef. Teria sido uma “comissão por fora”, sem que o doleiro soubesse. Ele e Youssef operavam juntos. Costa fazia a intermediação de contratos e Youssef se encarregava da movimentação do dinheiro. Mas alguns negócios de Costa eram tocados por duas filhas e dois genros. Antes mesmo da prisão de Costa, os investigadores já tinham recebido informações sobre pagamentos da empreiteira ao ex-diretor na estatal.

Costa decidiu fazer acordo de delação premiada no final de agosto, depois que PF e Ministério Público fecharam o cerco sobre os negócios das filhas e dos genros. Ele teve receio de ver as filhas presas e resolveu abrir o jogo. A confirmação das denúncias poderá livrar Costa de futuras penas de prisão.

Os depoimentos do réu podem complicar alguns políticos e afetar a eleição no Brasil, por esta razão o caso Lava-Jato é importante para todos os candidatos. Mas como sabemos a classe política é parte de uma corporação maior que involucra juízes, policia, e empresários, nacionais e internacionais, que fazem grandes negociados em diferentes obras públicas ou privadas. Dificilmente casos de corrupção cheguem a atingir aos principais responsáveis, e se tiverem que ir para cadeia alguns anos, vão ser em prisões luxuosas com direito a sair também, além de nunca ter que devolver o dinheiro roubado.

Mas as mudanças reais sempre vêm da cidadania quando cansa de algo de verdade e faz acontecer algo importante, as injustiças param, ao menos por um tempo. Na história da humanidade sempre foi deste jeito, as grandes revoluções vieram por causa do povo cansado das injustiças. Nestes casos de roubo milionário ao Estado, as penas deveriam ser maiores e duras, porque não tem pior crime que defraudar a própria Pátria.