Workshop II: “O Brasil e a Agenda da Sustentabilidade”

cebri01

No centro de conferencias do CEBRI na cidade do Rio de Janeiro, Brasil, foi realizado o workshop II “O Brasil e a Agenda da Sustentabilidade: desafios e oportunidades para o Estado, o setor privado e a sociedade civil”, para debater os eixos de sustentabilidade e cuidado do medio ambiento do Brasil e tambem o grupo de trabalho deu propostas a serem executadas nos proximos anos sejam pelo Governo ou para o setor privado. Participaram do evento: Tomas Zinner,Vice-Presidente do CEBRI; O embaixador Luiz Augusto de Castro Neves, Presidente do Conselho Curador do CEBRI; Lukas Lighental, assessor político e representante adjunto da KAS Brasil; Sebastián Baldunciel Presidente da Rede de ONGS da America Latina, Eduardo Viola, professor titular do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília e coordenador do Grupo de Pesquisa em Mudanças Climáticas e Relações Internacionais. Nelson Moreira Franco, Gerente de Mudanças Climáticas e Desenvolvimento Sustentável da Prefeitura do Rio de Janeiro. ; Sérgio Bessermann, presidente da Câmara Técnica de Desenvolvimento Sustentável da Prefeitura do Rio de Janeiro e professor da PUC-Rio. Ruderico Pimentel, professor da UFF e Assessor da Superintendência de Operações no Exterior na Eletrobras; Reinoldo Poernbacher, membro suplente do Conselho de Administração da Klabin, entre outros.

Os discursos dos palestrantes foram de nível técnico elevado explicando a situação atual dos perigos que enfrentam o mundo e no Brasil, com a poluição do solo, o efeito estufa, as alterações climáticas, impactando a vida das pessoas na vida cotidiana e da economia no médio e longo prazo. Entre as propostas destacou-se a necessidade de melhorar os sistemas de produção industrial no país (usar fontes de energia renovavél) reduzindo a libertação de CO2 para a atmosfera; sensibilizar o público para a reciclagem de resíduos; usar menos carros como medio de transporte urbano; e desenvolver medidas estruturais em áreas urbanas em risco de inundação, que são vulneráveis, e  ​​mover esses bairros para outras áreas geográficas em melhores condições.